Quem Somos

O projeto Kaapora conta com o apoio de indígenas, especialmente da comunidade Pataxó Hãhãhãe, e não indígenas afinados com a causa. Temos estrutura organizacional, e são gestores do projeto a indígena Olinda e Samuel. Os dois são um casal que decidiu aplicar os esforços de vida para tornar o mundo um lugar melhor. Afinados com essa perspectiva de vida, atuam como defensores dos direitos humanos e ambientais, lutam pela garantia dos direitos indígenas, em especial do povo Pataxó Hãhãhãe, com o qual trabalham junto pela reconquista de seu território, batalha que se deu no campo social, com as disputas de terras e violência dos fazendeiros contra a comunidade indígena, e no campo jurídico e político com a ação que tramitou na Justiça Federal e por fim no STF durante 30 longos anos, findando em 2012 com a sentença favorável a comunidade Pataxó Hãhãhãe, num julgamento histórico e icônico para o movimento indígena nacional. Os dois trabalham pelas questões ambientais nos municípios vizinhos, onde lutam por acabar com os lixões municipais e os incêndios criminosos usados ilegalmente como política de resíduos sólidos. Atuam com a comunidade indígena visando educação ambiental e redução do desmatamento e caça ilegal na TI, especialmente no âmbito do Kaapora. Ambos são residentes na Terra Indígena Caramuru Paraguaçu, onde desenvolvem atualmente atividades ambientalmente sustentáveis.

Olinda Muniz Wanderley é indígena e Jornalista graduada em 2015, quando apresentou seu documentário Retomar para Existir, que retrata a vida de lutas e retomadas do seu povo indígena, pela visão e vida de um de seus líderes, o Cacique Nailton Pataxó. Atua como defensora de seu povo a muitos anos e parte desta atuação se retrata em seu trabalho profissional como cineasta. É presidenta da ONG Socioambiental Uruçu. Mais de sua vida e obra pode ser vista em seu site YAWAR

Samuel Wandeley é Antropólogo e começou a desenvolver trabalho em 2002 junto com a comunidade Pataxó Hãhãhãe, quando foi contratado como integrante da equipe do projeto de gestão etno-ambiental Pataxó Hãhãhãe do FNMA/UFBA. Desde então atua profissionalmente junto com a comunidade Pataxó Hãhãhãe com trabalho indigenista e de defesa dos direitos indígenas. É Diretor de Desenvolvimento Sustentável da ONG indígena  Uruçu.