Construção da primeira fossa biodigestora do Kaapora

Estamos realizando as obras das instalações da micro ETE residencial do Projeto Kaapora. Para tanto, escolhemos dentre as tecnologias disponíveis, as mais práticas, baratas e eficientes, de modo que possam ser testadas e futuramente apresentadas em projetos socioambientais.

Um bom projeto de final de semana, para sua diversão no campo.

Para o tratamento dos efluentes de vaso sanitário, selecionamos o projeto de fossa biodigestora desenvolvido pela EMBRAPA, e que você pode ver os detalhes no vídeo abaixo.

 

Durante os trabalhos recebemos proposta de trabalhos de uma pequena serpente, mas tivemos que dispensá-la pois ela só pensava em dormir dentro dos furos dos blocos.

IMG_20190801_090248260

O projeto foi adaptado e na sequencia de fotos que segue, se vê a construção das duas primeiras câmaras, as biodigestoras de fato. A câmara de armazenamento do biofertilizante será construída em outras fase, a qual mostraremos aqui em nosso blog em momento oportuno, assim como as demais tecnologias de tratamento de esgoto que aplicaremos aos demais efluentes.

Foi realizada escavação no local escolhido. selecionamos o ponto em razão de permitir o uso do biofertilizante resultante via distribuição nas plantas por gravidade, sem uso de bombas.

O fundo da escavação foi revestido com concreto, em espessura que garante a impermeabilidade.

Construímos as duas câmaras em bloco, levantamos parede singela, porém, as paredes de apoio da laje de cobertura foram assentados blocos com os furos para cima e preenchidos com argamassa ou concreto.

Instalamos as tubulações conforme projeto da EMBRAPA, e revestimos as paredes com argamassa de areia e cimento na proporção 1:2, aplicada de colher e alisada.

Abaixo, o resultado final das câmaras construídas, já com as tubulações instaladas.

As adaptações foram feitas para evitar o uso de tanques em razão da dificuldade em instalar tampas de concreto. Preferimos desta forma para não termos tampas de tanque aparentes, e por serem frágeis, exigindo isolamento da área. Com laje de concreto esse problema é evitado.

A fossa será alimentada por esterco fresco, conforme orientação técnica, porém, o esterco será lançado em uma das caixas de inspeção que está instalada mais acima no terreno, não visível nestas fotos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s